quarta-feira, 8 de junho de 2016

TERRITÓRIOS EM DIÁLOGO

    TERRITÓRIOS EM DIÁLOGO                           


“Para educar uma criança, é preciso uma aldeia inteira.”
A Divisão Pedagógica- DIPED da DRE Guaianases, visando o princípio de Cidade Educadora e o desenvolvimento integrado entre os territórios, vem apresentar uma proposta de trabalho que contemple ações educativas, desafiadoras e significativas.
            Considerando uma concepção de currículo crítico e emancipatório na perspectiva da Educação Integral e a importância da articulação de saberes dos educadores, propomos uma estratégia formativa mais dialógica, que favoreça a integração entre as unidades de um mesmo território. 


Objetivos do encontro:
·       Refletir sobre o que se entende por Território;
·       Estabelecer, por meio do diálogo, um paralelo entre as reflexões e o Projeto Político Pedagógico das escolas;
·       Partilhar experiências e anseios entre as unidades do território.

Apresentação do vídeo:
·         Caminhando com Tim Tim 


 Para início de conversa:

·         O que se entende por Territórios?
·         Como você se percebe nesse território? E sua unidade?
·         Quais currículos permeiam os diferentes territórios dentro da sua U.E.?
·         Como se tem constituído a autoria de bebês, crianças, adolescentes, jovens e adultos nos territórios da sua unidade? Por meio de quais ações essa autoria se manifesta? (TCA, grêmios, assembleias, conselhos brincadeiras espontâneas...)
·         Como sua unidade dialoga com os diferentes coletivos culturais/ educacionais do entorno?
·         Quais projetos de sua unidade são possíveis de serem compartilhadas no princípio de colaboração?
·         Esses projetos auxiliam na diminuição da evasão escolar? Por quê?
·         Quais eram as expectativas do grupo para o encontro? O que o grupo sugere para o próximo?

Avaliação do encontro.
Para saber mais:
·         educacaointegral.org.br
·         FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996
·         SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. Editora Record – Rio de Janeiro, 2002
·         São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Currículo integrador da infância paulistana. São Paulo : SME/DOT, 2015
·         São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Diálogos interdisciplinares a caminho da autoria. São Paulo : SME/DOT, versão 07/2015
·         São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Programa Mais Educação São Paulo - subsídios para a implantação. São Paulo : SME/DOT, 2014

Elementos que você pode encontrar em uma cidade educadora:

A tarefa de educar como responsabilidade da sociedade. Esse princípio é o grande norteador de uma cidade educadora que se define como aquela que entende o potencial do território, explora suas possibilidades e as transforma em capital educativo.
As cidades educadoras são regidas por princípios de ações formadoras que objetivam, sobretudo, o desenvolvimento integral de todos os cidadãos em um processo educativo ao longo da vida e a partir da relação com os espaços e indivíduos do município.


1. Respeito ao meio ambiente de seu próprio território, de territórios vizinhos e de outras cidades do mundo.
2. Investimento na formação da cada pessoa para que essa atinja o máximo de seu potencial, sua singularidade, criatividade e responsabilidade com o coletivo.
3. Condições para plena igualdade de forma que todos se sintam respeitados e respeitem o próximo, em constante diálogo.
4. Congregação entre instituições educativas formais, não formais e informais para colaboração no ensino e aprendizagem de todos os cidadãos.
5. Cooperação com instituições e projetos de estudo e pesquisa, que visem aprimorar meios de fortalecer a participação cidadã e a qualidade de vida nas cidades.
6. Proteção das crianças e jovens, garantindo seu direito à cidadania, diálogo e coexistência com outras gerações.
7. Compreensão do território como uma grande plataforma de experimentação para que as pessoas possam exercer sua cidadania.
8. Condições para o exercício da democracia, em que a coexistência pacífica, a ética e o respeito à pluralidade são determinantes.
9. Desenvolvimento de todas as potencialidades educativas que a cidade contém, garantindo-as no projeto político da cidade.
10. Reconhecimento dos recursos e potencial formativo da própria cidade como ferramentas de desenvolvimento do sistema educativo, laboral e social.
11. Valorização da cultura como um processo de produção que motiva a criatividade, estimula a curiosidade, resgata a memória local e integra diferentes populações.
12. Concepção da educação como um bem social dinâmico, construído coletivamente e que acolhe sem restrições quem quer aprender e ensinar.
13. Reconhecimento da escola como instituição educativa, ao mesmo tempo em que valida outros núcleos, espaços e tempos de formação no território.
14. Valorização de uma concepção aberta e diversificadora de saberes, tomando cada indivíduo como um potencial educador.




SÍNTESE DO 1º ENCONTRO DOS TERRITÓRIOS

TERRITÓRIO 1 – EMEF OLINDA DE MENEZES
O grupo refletiu sobre o contexto do território numa perspectiva de constituição do mesmo através das aquisições individuais e coletivas de cada sujeito. Tais aquisições são internalizadas e constituem-se numa dinâmica de pertencimento, que não ocorre de forma espontânea, mas sim numa condição processual. O grupo avaliou o encontro de forma positiva, pois contribuiu para o conhecimento dos projetos de intervenção social realizados nas UEs, pelo compartilhamento de experiências da EI e EF, a socialização de angústias e soluções, bem como a apropriação das características do território.
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
A busca é por um olhar sensível para a autonomia das crianças, numa perspectiva de integração dos contextos de aprendizagem significativa, já que pertencemos a um sistema macro (território), sendo a escola e a comunidade, embora com especificidades, um contexto social tecido e articulado. O grupo apresenta ainda o desejo de aproximação dos territórios.
TERRITÓRIO 3 – CEU EMEF ÁGUA AZUL
A partir da conceituação do território (se trata de uma região, área, espaço delimitado, entorno), o grupo partiu para a idéia subjetiva de território, pois dentro de um território podemos ter outros territórios, numa perspectiva de idéias e novas culturas. Dentro da própria escola existem diversos territórios com fronteiras que precisam ser quebradas. As sugestões de temas para continuidade das reflexões destacam o trabalho com as famílias, a participação das crianças, os canais de comunicação entre a escola e outros equipamentos sociais, a diminuição da evasão, a escuta da comunidade, participação da supervisão.
TERRITÓRIO 4 – EMEF CLÁUDIA BARTOLOMAZZI
A partir das reflexões, o grupo entende o território como um espaço expandido de educação e cultura, sendo as concordâncias e os conflitos uma característica presente na constituição dos grupos sociais. Foram relatados alguns movimentos dos CEI’s, EMEIs e EMEFs do território, numa reflexão sobre os conflitos existentes entre o controle do adulto e o protagonismo infantil, indisciplina e rotina, escuta das crianças e escuta dos professores.
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
Território é um espaço com identidade própria, que é daquele que está naquele lugar. Em que cada profissional colabora para estabelecer vínculos e estreitar fronteiras. O grupo apresenta a necessidade de compartilhar o que é infância, criança e letramento, tratando de compreender as concepções do grupo e se sentir pertencente ao território, com todos os seus aspectos culturais e sociais. Ainda foi solicitado o compartilhamento destes encontros com os pais do conselho de escola, supervisores e demais grupos que possam auxiliar na reflexão dos contextos do território.
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
O grupo discutiu sobre a existência de pequenos territórios (cada equipamento) indicando a necessidade de pensar estes espaços e transpô-los para todo o território, com um olhar daquele que vivência os contextos deste espaço de interação. Ainda fomentou-se a idéia de como romper com a lógica do tempo, favorecendo as vivências infantis e juvenis, trazendo para o centro das relações a perspectiva de projeto, que poderá auxiliar na constituição de processos experienciais significativos. O grupo enfatiza que a comunidade/família precisa estar articulada com as práticas educacionais existentes, pois estas ultrapassam os muros da escola.
TERRITÓRIO 7 – CEU INÁCIO MONTEIRO
Para o grupo, o contato favorece o reconhecimento e identificação com os componentes do território, formando uma comunidade de interação e atuação social. Tal contato se dá através do compartilhamento de experiências das ações do CEI, EMEI e EMEF, numa tentativa de extinguir ou amenizar a cisão entre estes três segmentos, sendo compromisso de toda a comunidade o acolhimento e constituição dos cidadãos pertencentes ao território. O grupo entende que o encontro possibilitou o conhecimento dos trabalhos existentes bem como a sensibilização para a necessidade de olhar para si, para o conjunto de situações e pessoas que compõem o território.
TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO DE LIMA PAIVA
O grupo salientou a diferença dos olhares que cada unidade (EMEI, EMEF e CEI) possui em relação às aprendizagens, dentro do mesmo território. O questionamento permeou a condição de humanidade destes olhares, sendo a escola um dos meios humanizadores. Precisamos nos olhar! Precisamos partilhar! O caminhar é de todos, sendo que os passos deixam marcas no espaço físico e no espaço sensível.
TERRITÓRIO 9 – CEU JAMBEIRO
Os educadores trataram o território como: demarcação de um espaço; organização de interesses sociais; valores; domínio; espaço ocupado, pertencimento. Dentro da escola existem vários territórios com a divisão dos ciclos de aprendizagem e dos segmentos de interesses e conflitos, bem como as diversas culturas/etnias presentes. As expectativas do grupo versam sobre: compartilhar experiências; aproximação dos contextos imigrantes, integração entre escola/famílias sendo as crianças interlocutoras
TERRITÓRIO 10 – CEU LAGEADO
O ponto emblemático do encontro foi a reflexão para e com as crianças e adolescentes, tratando da autoria de todos na constituição de um território identitário, com suas necessidades e potencialidades. Diante deste percurso autoral, o grupo informa que os temas para os próximos encontros poderiam ser também indicados pelo grupo. Ainda foi solicitada a participação de toda a comunidade educativa (agentes sociais, supervisores, NAAPA, nutricionistas). 

Album

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO


TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO
TERRITÓRIO 3 – CEU EMEF ÁGUA AZUL
TERRITÓRIO 3 – CEU EMEF ÁGUA AZUL
Adicionar legenda
TERRITÓRIO 3 – CEU EMEF ÁGUA AZUL
TERRITÓRIO 3 – CEU EMEF ÁGUA AZUL
Adicionar legenda

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO
TERRITÓRIO 1 – EMEF OLINDA DE MENEZES
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 1 – EMEF OLINDA DE MENEZES
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
Adicionar legenda
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
Adicionar legenda
TERRITÓRIO 2 – EMEF MAURÍCIO GOULART
Adicionar legenda
TERRITÓRIO 10 – CEU LAGEADO
TERRITÓRIO 10 – CEU LAGEADO
TERRITÓRIO 10 – CEU LAGEADO
TERRITÓRIO 10 – CEU LAGEADO
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA
TERRITÓRIO 6 – EMEF SATURNINO PEREIRA



TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 5 – EMEF MAILSON DELANE
TERRITÓRIO 4 – EMEF CLÁUDIA BARTOLOMAZZI
TERRITÓRIO 4 – EMEF CLÁUDIA BARTOLOMAZZI

TERRITÓRIO 8 – EMEF JOÃO RIBEIRO


















Nenhum comentário:

Postar um comentário